Ocorreu um erro neste gadget

terça-feira, 30 de novembro de 2010

Até que ponto as previsões de Kurzweil são boas mesmo?

Immanuel Kant, para quem a máxima do Iluminismo poderia ser "Sapere Aude!" ("Ouse saber!" ou "Ouse pensar com sua própria inteligência!"). Antes de alguém pretender aumentar a própria inteligência, precisa aproveitar toda a inteligência já disponível entre as orelhas e empregá-la, tão bem quanto possível, na árdua tarefa de pensar com a própria cabeça.  

Gostaria de escrever um dia com mais detalhes sobre as previsões de Kurzweil para o futuro da humanidade (um bom resumo delas pode ser encontrado aqui: http://goo.gl/ev8qU).

Antecipadamente, o que posso dizer é que tendo a concordar com a visão geral de Kurzweil sobre o futuro (o surgimento de superinteligências artificiais e a possibilidade de seres humanos transcendermos nossas limitações biológicas e atingirmos um estado de civilização cuja melhor descrição seria a utopia -- embora Kurzweil pareça não gostar do termo e já adverte: surgirão novos tipos de problemas). As visões do grande inventor são para mim plausíveis e instigantes e vejo Kurzweil como uma mistura de Thomas Edson com Júlio Verne.. Na verdade, acho que são as melhores previsões de futuro remoto que conheço e que fazem sentido -- o que não significa que sejam perfeitas.

No entanto, como o futurismo é uma mistura de arte da aproximação e ciência (e talvez esteja mais próximo daquela), tenho dúvidas quanto ao timing de suas previsões: será que elas se concretizarão tão rapidamente quanto ele propõe? Tendo a pensar que, em muitos casos, elas demorarão um pouco mais (eu chutaria: algo em torno de uma ou duas gerações, isto é, de 20 a 40 anos ou mais).

Para quem quiser se beneficiar de uma visão crítica das previsões de Kurzweil, vale a pena conferir o artigo Ray Kurzweil's Slippery Futurism . O artigo não nega o brilhantismo de Kurzweil, mas sugere que várias de suas previsões, se vistas de perto, não são tão boas assim (ou são óbvias ou ambíguas demais -- problema comum às profecias). O artigo é bom, mas, cultivar o hábito de exercitar o espírito crítico é ainda melhor, em razão do que recomendo também a leitura dos comentários dos leitores daquele artigo (muitos defendendo o ponto de vista de Kurzweil com bons argumentos) e, ainda, do documento "How my predictions are faring" ("Como minhas previsões estão se saindo") publicada pelo próprio Kurzweil em que ele defende suas previsões (http://www.kurzweilai.net/predictions/download.php).

Em "How my predictions are faring", Ray Kurzweil, defende que 89 das 108 previsões que ele fez estavam  totalmente corretas até o final de 2009, 13 estavam "essencialmente correta" (para um total de 102 em 108), outras 3, parcialmente corretas e 3 erradas, a mais de dez anos pela frente de concretização, contabilizando um total de acerto de 89%.

Eu não li todo o documento, mas, pela a olhada que dei, não diria que houve 89% de acertos, até por conta da ambiguidade que as palavras em alguns casos proporcionam. Mas, algo me pareceu claro: ele mais acerta do que erra (eu diria: seguramente uns 70%) e, mesmo quando erra, talvez se possa dizer que a visão geral estivesse correta. Por exemplo, uma das profecias consideradas erradas é a de que em 2009 existiriam carros que se dirigem sozinhos. Era um grande desafio da engenharia, mas, se não me falha a memória, foi exatamente em 2009 que um desses carros venceu um prêmio oferecido pelo DARPA, nos EUA. E, em 2010, a imprensa dos EUA flagrou os "Google  Driverless Cars", carros do Google sem motorista que entravam e saiam das instalações da empresa sem que o motorista precisasse colocar as mãos no volante. A profecia estava errada (nós não temos esses casos) quanto disseminação da tecnologia, mas não a sua possibilidade de implementação técnica, que pareceria um sonho na década de 90, mas foi atingida.

"Google Driverless Car": o carro projetado por engenheiros do Google que dirige sozinho, em 2010. Kurzweil previu nos anos 90 (quando a tecnologia não existia) que teríamos um destes. De fato, não temos, mas a tecnologia apareceu e em 2010 carros que se autodirigem já tinham percorrido 140.000,00 milhas na Califórnia. Veja um vídeo aqui: Google Driverless Car.

Um ponto importanet do artigo da IEEE é que uma apreciação satisfatória das previsões requeriria que elas fossem quantificadas, o que lhes permitiria serem falseadas ou confirmadas facilmente.  Isso seria ótimo, mas isso, talvez, vá além do ponto interessante (e das reais possibilidades) em Kurzweil: não se trata de saber em termos preciso qual engenhoca vai estar disponível, mas saber que existem certos índices que tem apresentado crescimento padronizado, na forma de uma curva exponencial , isto está ocorrendo há muito tempo, de maneira ininterrupta e podemos tirar consequências importantes disto.

Transhumanistas costumam apontar que as raízes do transhumanismo estão fincadas no racionalismo humanista (confira aqui: A History of Transhumanist Thought). Sendo esta invocação autêntica, o pensamento transhumanista (mesmo o ocasional e despretensioso de um blog!) deve sempre partir da máxima kantiana do racionalismo humanista: "Sapere Aude!" (que traduz: "Ouse saber!" "Ouse pensar com sua própria inteligência!"), o que tem por consequência mais óbvia e imediata a rejeição da disposição para seguir cegamente líderes. Quaisquer tendências nesse sentido, por mais tênues que sejam, devem ser vistas com desconfiança, mesmo em se tratando de um "profeta do bem", como penso ser o caso de Ray. Vamos chamar as coisas pelo nome: seguir líderes cegamente é uma tremenda burrice e uma das principais causas dos grandes problemas da humanidade. 

Moral da história: antes de ser um transhumanista é preciso ser racional, com as ferramentas do pensamento que já se encontram há disposição há uns 400 anos: é preciso manter a mente aberta e cultivar o espírito crítico, cético e independete (aliás, o espírito crítico é um bom aliado do ceticismo, pois este também não é indefeso ao erro e ao exagero). Antes de alguém querer aumentar a própria inteligência, precisa aproveitar o bocado de inteligência já disponível entre as orelhas e empregá-la, tão bem quanto possível, na árdua tarefa de pensar com a própria cabeça. Esta tarefa é sempre indelegável. Eis é o ponto de partida do transhumanismo.

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Atualização de "Singularity is Near"



Quem gosta de análises realistas sobre o futuro certamente irá apreciar "Singularity is Near", o livro de Ray Kurzweil responsável pela explosão do movimento transhumanista. Os excessivamente céticos, mas apreciadores de uma boa ficção cientifica, terão momentos de leitura agradável e instigante. Infelizmente, o livro ainda não tem tradução para o português (e se você não lê em inglês, pode se beneficiar da leitura de "A Era das Máquinas Espirituais", que traz basicamente as mesmas ideias, porém de maneira mais sintética e menos fundamentada).

Devo confessar -- junto com a maioria dos outros leitores de "Singularity is Near" -- que a leitura deste livro é de grande impacto. Você pode detestá-lo, pode passar a venerá-lo, mas dificilmente alguém mantém-se indiferente a este livro. Trata-se de um livro que evoca sentimentos e ideias profundas, ligadas a questões centrais da existência humana individual ou coletiva. Se fosse para resumir em uma frase este livro, eu arriscaria: a crença no poder irresistível das ideias para transformar o mundo.

Para aqueles que leram o livro (que é de 2005) e estão interessados em um upgrade, na palestra abaixo, proferida na Singularity University, Kurzweil se propõe exatamente a fazer isso: rebater algumas críticas (o que faz rapidamente, de passagem) e, o que é mais interessante, mostrar o que ocorreu com os vários gráficos apresentados no livro nos quatro anos após sua publicação (a palestra, salvo engano, foi gravada em 2009). Essa palestra também será útil para aqueles que assitiram a entrevista de Kurzweil na GloboNews e querem saber mais sobre a análise que Raymond Kurzweil faz do futuro da humanidade. Felizmente, para maior divulgação, esta nova palestra foi legendada pela FIAP.

A palestra encontra-se aqui:

Vale a pena assistir e divulgar. Para quem quiser twittar:
Em palestra, Ray Kurzweil faz atualização de Singularity is Near http://goo.gl/Rqed0

sábado, 20 de novembro de 2010

Transhumanismo é tema de colóquio na Universidade Federal de Santa Maria

Infelizmente não divulgamos aqui a tempo... mas, pela importância, vale a pena registrar o evento na UFSM (RS). 


Transhumanismo é tema de colóquio nesta sexta-feira 


Planetário da Universidade Federal de Santa Maria, RS.



"O trabalho desenvolvido por Pearce é considerado 'de ponta' em universidades como Oxford, entretanto desconhecido no Brasil. Nesse caso, Santa Maria é sede de um evento histórico para pesquisadores das ciências sociais, humanas e naturais" (fonte: Universidade Federal de Santa Maria)


O curso de Filosofia da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) apresenta o 3º Colóquio de Ética e Ética Aplicada com o tema: evolução e transumanismo. O transumanismo pode ser visto como o uso das tecnologias latentes para o aperfeiçoamento do ser humano de maneira cognitiva, genética e moral. Tem como fato a evolução das espécies e seleção natural (darwinismo), desenvolvendo uma necessidade de posição do homem frente à construção do modelo transumanista e de um estágio pós- humano.



Além das apresentações acadêmicas nacionais, a principal atração do colóquio é o filósofo inglês David Pearce (BLTC Research – Brigthon, Inglaterra), pesquisador ícone no assunto.

David Pearce, que permanece em Santa Maria até amanhã, ministra palestra nesta sexta-feira, às 10h45min, sobre Projeto Abolicionista. O trabalho desenvolvido por Pearce é considerado “de ponta” em universidades como Oxford, entretanto desconhecido no Brasil. Nesse caso, Santa Maria é sede de um evento histórico para pesquisadores das ciências sociais, humanas e naturais.

O professor doutor Ricardo Bins Di Napoli é o responsável pelos estudos em ética na UFSM. O 3º Colóquio de Ética e Ética Aplicada, que iniciou ontem, dia 17, segue até amanhã, 19 de novembro, das 8h45min às 12h e das 14h às 17h30min, no Centro de Ciências Sociais e Humanas (prédio 74) da UFSM.
Mais informações com Pablo Rolim pablo.rolim@hotmail.com do diretório acadêmico da filosofia DaFil ou com Gabriel Garmêndia garmendia_gabriel@yahoo.com.br, acadêmico pesquisador em ética aplicada.

Programação do evento:
* 19 de novembro, sexta-feira:
Turno da manhã
8h45min: Recepção e Abertura
9h: Vídeo-conferência ou Web-conferência.
Tema: Is conscientious objection in medicine morally justifiable?
Palestrante: PhD. Student Francesca Minerva (Università di Bologna)
10h15min: Debate
10h30min: Intervalo (Coffee Break)
10h45min: Mini-curso presencial.
Tema: Projeto Abolicionista (III)
Palestrante: Sr. David Pearce (BLTC Research – Brigthon, Inglaterra)
11h45min: Debate
12h: Encerramento das Atividades Turno Manhã
Turno Tarde
14h: Vídeo - Conferência
Tema: Desafios do transumanismo a uma concepção naturalista sobre a normatividade.
Palestrante: Prof. Dr. Marco Antonio de Azevedo (UNISINOS)
15h30min: Intervalo
15h45min: Mesa Redonda de Encerramento.
Tema: Evolução, Genética e Transumanismo.
Palestrantes: professores Dr. Élgion, Dra. Lia Reiniger; e Ursula Matte (UFRGS).
Coordenador da mesa: professor Dr. Noeli Dutra Rossatto (UFSM)
17h15min: Debate
17h15min: Encerramento das Atividades Turno Tarde

terça-feira, 16 de novembro de 2010

Engenharia do Paraíso

"Se queremos viver no paraíso, teremos nós próprios de o produzir." Não, definitivamente você não vai encontrar 70 virgens no céu. Se realmente quiser , vai ter que convencê-las por aqui mesmo.




 Para quem não conhece bem o movimento transhumanista, vale a pena se inteirar das ideias dos principais pensadores do movimento, como o filósofo David Pearce. Transhumanistas não são nerds que inventaram uma nova religião high-tech para superar o problema da morte (como argumentei no meu primeiro post, pessoalmente vejo o movimento transhumanista como um elo entre aspectos positivos da religião e a ciência). Transhumanistas simplesmente apontam que o rei está nu, chamam as coisas pelo seu nome: a vida é curta demais, a morte é ruim e indesejável e o envelhecimento... ah, este equivale a uma lenta e torturante degradação física e mental dos indivíduos, sendo, portanto, inaceitável
O movimento transhumanista é muito diversificado e, claro, como qualquer movimento também possui seu lado histriônico: se procurar, você vai encontrar dentre os transhumanistas geeks que pensam ter encontrado uma religião high-tech. Essa diversidade, no entanto, parece ser bem vista,  é um sinal de tolerância e da ausência de dogmas entre os transhumanistas, pessoas diversificadas que compartilham a crença de que a tecnologia pode melhorar radicalmente nossas vidas.

Para mim, o melhor aspecto do movimento é sua fundamentação filosófica, derivada do humanismo e dos melhores aspectos da ética utilitarista (transhumanistas tendem a ser ateus ou agnósticos e movidos pela ética da utilidade), sua inconformidade e preocupação em promover o bem-estar e eliminar o sofrimento. É possível ver tudo isso nas idéias de David Pearce:
"Se queremos viver no paraíso, teremos nós próprios de o produzir. Se queremos a vida eterna, então teremos de reescrever o nosso código genético cheio de erros e tornarmo-nos divinos. 'Possa tudo o que vive ser libertado do sofrimento', afirmou Gautama Buda. É um sentimento maravilhoso. Infelizmente, só as soluções de alta tecnologia podem erradicar o sofrimento do mundo vivo. A compaixão por si só não basta." (David Pearce)

Essas ideias ganharam o nome de "engenharia do paraíso".

Ambicioso demais? Talvez. Mas há milhares de pessoas extremamente inteligentes trabalhando nisso exatamente agora. Transhumanistas não só chamam as coisas pelo nome. Eles também arregaçam as mangas.
  
Vale a pena ler e divulgar a entrevista completa de David Pearce e Nick Bostrom:

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Suplementação vitamínica e mineral para o cérebro

Abaixo, a tradução de trecho do Capítulo 2 (“BRAIN AND SLEEP”) do Livro “TRANSCEND - nine steps to living well forever” (de Ray Kurzweil & Terry Grossman), que traz informações sobre suplementação para o cérebro (dentre outras dicas). O livro pode ser importado pela Livraria Cultura ou pelo site Amazon.com. Antes de ler este livro, no entanto, recomendamos a obra anterior dos mesmos autores “Medicina da Imortalidade”.
Os três primeiros capítulos (em inglês) do livro foram gratuitamente disponibilizados pelos autores aqui: http://www.rayandterry.com/transcend/chapters.shtml . Se você não tem fluência em inglês, ainda assim pode ler os livros com ajuda do novo Tradutor do Google (que nos ajudou a traduzir o trecho abaixo).

 *     *     *

Estilo de Vida Saudável, cérebro saudável

Como já discutimos, em muitos aspectos, você é o que você pensa. Mas o velho lema de que você é o que você come também é verdadeiro. Além de desafiar seu cérebro, as nossas recomendações dietéticas, conforme descrito nos capítulos 11 e 13, constituem sua primeira linha de defesa para manter um cérebro saudável. Seu cérebro é feito de 60% de gordura e, por isso, consumir gorduras saudáveis é especialmente importante para a saúde do cérebro. Ambos EPA e DHA, os principais componentes da gorduras omega-3 encontrados em peixes, são componentes importantes no tecido cerebral. Inflamação (superativação do sistema imunológico) é um acelerador de grandes de envelhecimento do cérebro, por isso as nossas recomendações dietéticas que visam reduzir inflamação (tais como evitar carboidratos dealto índice glicêmico, tais como alimentos com açúcar e amido) são também importantes para a saúde do cérebro.
Foi demonstrado em estudos duplo-cego controlado com placebo que os seguintes nutrientes do cérebro apresentam benefícios significativos para a saúde do cérebro, tal como citado em importantes revistas médicas, como a Nature:


Suplemento
Dosagem recomendada
Esclarecimentos e dicas
(esta coluna nao consta no livro de Kurzweil)
Vinpocetina
10 miligramas duas vezes por dia
Trata-se de um remédio barato e facilmente encontrado nas farmácias brasileiras.
Fosfatidilserina
100 mg duas vezes ao dia durante 1 mês, diminuindo para
100 miligramas diários a partir daí
É encontrada na soja e, de forma mais concentrada (porém não pura) na lecitina de soja. A lecitina de soja da Sundown apresenta 1200 miligramas, mas, como dissemos, não é pura. A única informação (a respeito de outro produto) que encontramos sobre as concentrações presentes na lecitina de soja são as seguintes: “Cada cápsula de 500mg de Lecitina de Soja contém 41,4mg de Fosfatidilcolina, 36,8mg de Fosfatidiletanolamina, 23,0mg de Fosfatidilinositol e 4,6mg de Fosfatidilserina.”
Acetil-L-carnitina
de 500 a 1.000 miligramas duas vezes por dia
Não encontramos este produto no Brasil. Se você encontrou, pode compartilhar com as demais pessoas comentando o blog.
EPA / DHA
1.000 a 3.000 miligramas diárias de EPA
700 a 2.000 miligramas por dia de DHA
É popularmente conhecido como “Ômega 3”. No Brasil, uma marca conhecida é a Sundown, cujo comprimido contém
540miligramas de EPA e 360  nmiligramas g DHA. Logo, é preciso tomar pelo menos dois comprimidos desta marca.
Fosfatidilcolina
900 miligramas 2-4 vezes ao dia
Também presente na lecitina de soja.
SAMe
200-400 miligramas duas vezes por dia
Não encontramos este produto no Brasil. Se você encontrou, pode compartilhar com as demais pessoas comentando o blog.



Vinpocetina, um suplemento natural derivado da planta pervinca, aumenta o fluxo sanguíneo para o cérebro, assim como aumenta a produção de adenosina trifosfato (ATP), fonte energética do cérebro. Tem demonstrado melhorar a memória de pessoas com memória normal, assim como aqueles com comprometimento da memória.

Fosfatidilserina é um constituinte natural da membrana celular, mas é encontrados em concentrações elevadas, especialmente no cérebro. A suplementação com fosfatidilserina retarda a perda de memória e tem sido mostrado para inverter perda de memória em alguns pacientes com declínio de memória relacionada à idade. Ela também diminui níveis de cortisol, um hormônio principal do envelhecimento.

Acetil-L-carnitina é uma substância natural que fortalece a mitocôndria, as fontes de energia dentro da célula. Ele também protege o cérebro do envelhecimento por abrandar a inflamação do tecido cerebral.

Ginkgo biloba tem sido um grampo da medicina chinesa há milhares de anos. Ela aumenta o fluxo sanguíneo para o cérebro, e vários estudos mostram que reduz a perda de memória a curto prazo em idosos. Ginkgo biloba é uma droga receitada na Europa mais do que qualquer outra substância farmacêutica para a perda de memória.

EPA e DHA são os principais componentes de gorduras omega-3 e são ambos encontrado em altas concentrações no tecido cerebral. Ambos ajudam a manter as membranas celulares do cérebro flexível. Como mencionado, o cérebro é composto por 60% de gordura e quando EPA e níveis de DHA são insuficientes, o cérebro vai substituir as gorduras menos desejáveis, tais como gorduras omega-6 e até mesmo o perigoso ácidos graxos-trans. Quando isso acontece, membranas celulares perdem sua flexibilidade e a transmissão de sinais entre neurônios torna-se prejudicada. Muitos estudos têm demonstrado uma melhora do humor e alívio de sintomas como depressão e ansiedade com a suplementação com a EPA/DHA.

Fosfatidilcolina (PC), como discutido no Capítulo 2, é um componente chave da membrana celular de todas as nossas células, incluindo células do cérebro. Estudos mostraram que a suplementação com o PC pode ajudar com a memória e o aprendizado em seres humanos sem deficiência mental.

S-adenosil-metionina (SAMe) é um derivado natural de um aminoácido normalmente produzida pelo organismo, e desempenha um papel na metilação (ver Capítulo 5). Níveis do mesmo no organismo, muitas vezes se esgotam na meia-idade. Múltiplos ensaios clínicos têm demonstrado que ele oferece benefícios substanciais para pacientes com depressão. Este efeito ocorre de forma relativamente rápida, ao contrário do necessário para elevar os níveis na corrente sanguínea, que acompanha alguns medicamentos para a depressão. É, portanto, uma forma eficaz, natural e tratamento rápido de ação para a depressão leve. Testes em humanos também têm demonstrado benefícios para o fortalecimento do fígado e para o alívio da osteoartrite.

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

É possível contratar a Alcor Life Extension no Brasil?

 “Não dá para fazer tudo o que eu quero em uma vida só. Viver é muito bom” - Valcinir Bedin, médico brasileiro cliente da Alcor Life Extension

De acordo com o que sugere uma reportagem da Revista Época, sim, é possível. E os preços, inclusive, são razoavelmente módicos, acessíveis pelo menos à classe média:

"Todo mês, o dermatologista Valcinir Bedin, 55 anos, de São Paulo, envia, religiosamente, US$ 100 a uma seguradora americana. Neste mês, quando completa 18 anos de adesão, terá desembolsado US$ 21,6 mil (cerca de R$ 40 mil) para sustentar um desejo inusitado: o de ser congelado logo após sua morte e, depois, ressuscitado. Assim que falecer, a indenização de seu seguro será entregue ao beneficiário da sua apólice, a empresa americana de criogenia Alcor, em Scottsdalle, no Arizona, nos EUA. “Eles receberão US$ 150 mil para manter meu corpo congelado até que se descubra a cura para a enfermidade que me vitimou. Pedi então para ser descongelado, revivido e tratado”, explica. Bedin anseia por uma segunda chance. “Não dá para fazer tudo o que eu quero em uma vida só. Viver é muito bom”, diz. As origens dessa escolha são antigas. Desde a adolescência, Bedin buscava uma opção para amenizar o impacto de acreditar que não há nada depois da morte."


Mas como seria possível resgatar alguém de volta?
Há poucos anos, soaria uma piada a pretensão de discutir cientificamente este assunto. Hoje, no entanto, uma das tecnologias que poderiam permitir isso começa a se tornar realidade:
Para preservar as sinapses da destruição, há alguns anos a Alcor substituiu o congelamento direto do cérebro  por um sofisticado processo de vitrificação (conforme reportagem do Fantástico sobre o assunto).  Muitos desafios técnicos e filosóficos ainda deverão ser enfrentados.No entanto, começamos a vislumbrar uma era em que, além das crenças religiosas e da resignação, haverá alternativas tecnológicas para o homem enfrentar a questão da própria morte. E estas alternativas mudarão profundamente a condição humana.